domingo, 9 de novembro de 2008



Houve um tempo em que eu era daqui, e todas as horas tinham um sabor que já não consigo recordar, mas davam prazer, e pareciam desprendidas do tempo, perdidas, como se ele passasse por mim sem me levar.
Houve um tempo em que os sonhos passavam da noite para o dia, linearmente, e se vivia dia a dia o conforto de estar segura e ser feliz.

4 comentários:

orquídea disse...

Diz-se que não devemos voltar ao local onde já fomos felizes. Com o risco de as memórias perderem o encanto ampliado pela distância e pelo desejo, acredito que vale sempre a pena o risco. Podemos ser felizes outra vez e reforçar este sentimento de segurança confortável que nos atira agora para outros sonhos e riscos.
Bela imagem e música a condizer :-)

GRAFIS disse...

Eu gosto de voltar aos lugares em que fui feliz, pelo menos estes, que se mantêm intactos.
Gosto de lembrar esses momentos, que me fazem, muitas vezes, reviver uma parte dessa felicidade.
O tempo passa e o olhar sobre as coisas, o contexto, as grandes responsabilidades que chegam e se a acumulam ao longo dos anos espartilham e desmistificam toda a inocência com que viviamos.
Quanto à segurança... a segurança de se ser criança já não voltará a ser a mesma :)

orquídea disse...

Então parabéns por uma infância feliz, que te possibilitou este sentimento de segurança e inocência no tempo certo :)
Este lastro é o essencial para os desafios actuais e futuros que podemos ter.

GRAFIS disse...

sem dúvida alguma.