quinta-feira, 7 de junho de 2007

Cinzas . Falésia - Costa Vicentina . Maio . 2007
.
Estranho é o sono que não te devolve.
Como é estrangeiro o sossego
de quem não espera recado.
Essa sombra como é a alma de quem já só por dentro se
ilumina
e surpreende
e por fora é
apenas peso de ser tarde. Como é
amargo não poder guardar-te
em chão mais próximo do coração.

Daniel Faria

8 comentários:

LR disse...

«é amargo não poder guardar-te
... mais próximo do coração»

pois, felizes dos que nunca o disseram. mas haverá alguém que se escape sempre?!

serotonina disse...

Costa vicentina - a minha origem!

GRAFIS disse...

LR
...não sei.
...see haverá quem se escape, se serão mesmo felizes os que nunca o disseram.

seretonina
Então parabéns. Tens umas origens belissimas. E jã agora de onde?

Teresa Durães disse...

(eu cá limito-me a dizer que gosto muito da poesia de Daniel Faria e que sim, quando se quer alguém, quer-se tudo por mais irracional que seja. Ninguém é perfeito)

GRAFIS disse...

Eu tb.
Trago comigo todos os poemas dele, reunidos pela Quasi.
Ninguém é perfeito, e ainda assim, há quem ache que há quem seja mais que outros. Vá-se lá saber pq.

serotonina disse...

aljezur

GRAFIS disse...

sim e não
concelho de Aljezur, mas na verdade uma das falésias da Arrifana... :)

serotonina disse...

Conheço muito muito bem a Arrifana. Vou lá muito.