domingo, 3 de junho de 2007

Fim de dia junto à falésia.2007
.
Os meus dias constroem-se a partir de uma matriz antiga, insonsa, balofa. Quanto mais anestésico for o ar melhor. Quanto maior a embriaguez menos contundente a memória.
A razão do meu tamanho, esmagada pelo sol, pelo silêncio, pelas fronteiras.
Tenho as minhas pequenas coisas: os meus quadros, desenhos, esculturas, livros e pedras. Não tenho a essência, calor.
Tenho o meu trabalho, que já não me satisfaz como antes, talvez por ter percebido as limitações que julguei saber e conseguir ultrapassar. Dez anos depois era suposto já ter feito mudar a face desta terra, e no entanto, tudo permanece na mesma.
A face, a terra, a casa… adensou-se o ar, enegreceu-se a luz. Se não saio daqui morrerei mais cedo engasgada na minha frustração. Ou isso ou mais vale destruir tudo em volta e começar de novo. Começar-me a construir pessoa, tal e qual como eu sei que sou, e deixar o mundo entregue à sua sorte.

8 comentários:

Fox disse...

Very intense words. Dá para sentir. Dá para entender. Dá para querer partilhar.
Writing helps, doesn't it ?

GRAFIS disse...

Yes, it does.
Don’t ask how, I cannot explain but it does help.

LR disse...

um post assim não justifica comentários:-( é muito deprê... há pontas soltas que não fazem sentido para quem lê. dez anos não é nada, e pode ser muito. enfim, só me ocorre dizer que a foto é bela e há um tom excessivamente definitivo no auto-julgamento. ora a gente sabe que "todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades". e quem lida com arte, sabe-lo-á melhor que o comum dos mortais.(só mais uma coisinha: tenho uma crença infinita que é por nós que o mundo começa a mudar, aos poucos, devagarinho... ninguém dá por nada, mas a terra move-se!)

GRAFIS disse...

não tem de justificar nada. eu não escrevo para justificar o que quer que seja. mas obrigada pelo esforço.
pois é difícil comentar. pois há pontas soltas. pois o mundo é feito de mudança. mas nem sempre a mudança acontece à velocidade que queremos, a começar por nós.
pois nós tb temos o direito de nos sentir cair por instantes, para não estarmos constantemente a puxar a carroça. de vez em quando há que baixar os braços para ver o que acontece.
o texto não é depré, é negativo, mas não é depré. mas é apenas um texto, uma ideia solta e apenas um aspecto fora de um contexto de mil aspectos :)
afinal a vida é como a fenix. as cinzas são um excelente pasto para as ervas daninhas e as flores.

LR disse...

aprecio a mudança de banda sonora. e agradeço o esforço da justificação.boa semana!

GRAFIS disse...

Eu tb. Gosto muito.
De nada. Não tem de agradecer.
Boa seman para ti tb.

Teresa Durães disse...

à segunda-feira, tudo isso...

hoje nada boa para pensar.

GRAFIS disse...

pior, ao domingo... :)
mas parte da "neura" já passou. Passou logo que meti o pé fora de casa, com este sol maravilhoso ;)