quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008




Há certas alturas em que me salta a tampa e fico sem saber se tenho ou não tenho razão para ela me saltar.
O que é que se faz/chama a alguém com quem não se tem qualquer tipo de confiança e com quem só se falou uma ou duas vezes, que nos manda mensagens sobre assuntos profissionais para o telemóvel pessoal, às 11h da noite?! Que raio de conceito de urgência saloia tem esta gente que se julga no direito de nos incomodar fora de horários minimamente aceitáveis?!
Juro que tenho alturas em que penso que há pessoas que, ou são meio malucas, ou são muito mal formadas, e se julgam no direito de dispor da vida das outras pessoas a seu belo prazer.
É que há pessoas que devem julgar que temos a obrigação de estar disponíveis 24h por dia e aos fins-de-semana, se for preciso. Qd não nos apanham no telemóvel de serviço, vai-se lá saber como, arranjam os contactos pessoais e toca de chatear a toda a hora.
Irra!
Ah pois é minha querida, no melhor pano cai a nódoa!
Os que deveriam ter a obrigação de ter mais tino na cabeça, são os piores!
.
Com isto tudo já perdi a vontade de copiar para aqui mais um poemazito, que assim ficará para amanhã.
Vou para ali respirar fundo, ver se não hiperventilo e se amanhã acordo sem úlceras no estômago.

2 comentários:

LR disse...

respirar uma, duas, três vezes, bem fundo... e não procurar explicação para o que não tem sentido:)

GRAFIS disse...

É verdade.
Uma estupidez sem sentido nenhum e no fundo a menor das pedras no sapato :)