sexta-feira, 10 de abril de 2009

Ecce Homo (Português) - meados de 1490.



João 16
Dentro em pouco já não me vereis, e pouco depois voltareis a ver-me. Eu vou para o Pai.
Diziam, pois: Que quer dizer isto:
Dentro em pouco já não me vereis, e pouco depois voltareis a ver-me. Eu vou para o Pai. Não sabemos o que diz.

Conheceu, pois, Jesus que o queriam interrogar, e disse-lhes: Indagais entre vós acerca disto que disse: Dentro em pouco já não me vereis, e pouco depois voltareis a ver-me?
Na verdade, na verdade vos digo que vós chorareis e vos lamentareis, e o mundo se alegrará, e vós estareis tristes, mas a vossa tristeza se converterá em alegria.
A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo.
Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas outra vez vos verei, e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará.
E naquele dia nada me perguntareis. Na verdade, na verdade vos digo que tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar.
Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra.
Disse-vos isto por parábolas; chega, porém, a hora em que não vos falarei mais por parábolas, mas abertamente vos falarei acerca do Pai.
Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que eu rogarei por vós ao Pai;
Pois o mesmo Pai vos ama, visto como vós me amastes, e crestes que saí de Deus.
Saí do Pai, e vim ao mundo; outra vez deixo o mundo, e vou para o Pai.
Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não dizes parábola alguma.
Agora conhecemos que sabes tudo, e não precisas de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus.
Respondeu-lhes Jesus: Credes agora?
Eis que chega a hora, e já se aproxima, em que vós sereis dispersos cada um para sua parte, e me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo.
Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.


João 17
Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;
Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste.
E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.
E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse.
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra.
Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti;
Porque lhes dei as palavras que tu me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste.
Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.
E todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e nisso sou glorificado.
E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós.
Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.
Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos.
Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.
Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.
Não são do mundo, como eu do mundo não sou.
Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.
Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.
E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade.
E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;
Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.
Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim.
Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo.
Pai justo, o mundo não te conheceu; mas eu te conheci, e estes conheceram que tu me enviaste a mim.
E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja.


Jesus Cristo, na sua pregação, deixou-nos dois mandamentos maiores, nos quais é alicerçada toda a Fé Cristã e ensinamentos de Deus, Pai, que são, talvez (ou deveriam ser) os alicerces de toda a Humanidade: Ama o senhor teu Deus, o Criador de todas as coisas, o Pai, o Bom, o Misericordioso, e ama o próximo como a ti mesmo, com todo o teu corpo e toda a tua alma, sem restrições.
A cada um de nós cabe escolher o melhor de dois caminhos, em consciência, decidir. Existem apenas duas realidades, dois caminhos possíveis: o bem e o mal.
Ser Cristão, ser Homem, ou ser Mulher (porque não?! e abolindo esta coisa irritante do falso neutro masculino), não é apenas e só ir à missa, confessar os “pecados” da semana, receber a absolvição e voltar a fazer o mesmo na semana seguinte. Ou considerar-se o interlocutor maior – a este propósito recordo os momentos em que Jesus Cristo, pouco antes deste dia, no momento da Ceia, não me lembro se antes ou depois, referiu aos seus apóstolos que não há maiores ou menores entre eles, entre os Homens, privilegiados, que eles eram, nós somos todos iguais – e ir por aí distribuindo veneno disfarçado de doce, cânone, apregoando atrocidades contra a Vida, inventando regras e uma moral que nada tem que ver com a verdadeira essência da moral cristã – e mesmo hoje os “Fariseus” de antigamente se disfarçam por baixo da capa da autoridade divina - para voltar a cometer as mesmas atrocidades, ou pior, num círculo viciosos, por muitos anos.
Ser Cristão é colocar em prática, silenciosamente, estes dois grandes mandamentos, nas mais pequenas coisas que fazemos, no que nos for possível, pequenos gestos. Ser Homem é confessar a Fé que se tem no Amor, no Pai, no Filho, no poder criador e regenerador dos laços e dos afectos, e fazê-los acontecer, todos os dias, nas mais pequenas coisas, porque um sorriso é um milagre, uma mão onde segurar o fio que nos agarra à vida, o Amor o segredo de todas as coisas, o grande mistério das nossas vidas.
Assim, esta noite, eu confesso e dou testemunho, Pai, uma vez mais, da minha Fé, do quanto És importante na minha vida, o quanto este dia, da crucificação de Cristo foi e é importante no cumprimento, dia após dia, do que me foi escrito dentro, no centro.

2 comentários:

orquídea disse...

Uma vez mais, obrigada. Pelos textos, pela reflexão e por nos ajudares a olhar para o essencial :)

Feliz Páscoa!
beijinhos

S-Kelly disse...

Importante este apontamento porque parei um pouco para recapitular o que a sociedade de hoje teima, por vezes, em dissolver: O significado das coisas, a palavra de Deus (através do Evangelho), as raízes cristãs e as tradições que as sustentam.
Quando os meus avós eram vivos faziam questão em recordar a Páscoa e os seus símbolos. A Páscoacomo a festa do cristianismo, a passagem de Cristo deste mundo para o Pai, da morte para a vida, a Festa da Libertação.
Hoje penso o quão importante eles foram na consolidação destes valores.
Obrigada pela partilha!
Um abraço