quinta-feira, 7 de maio de 2009




Há dias em que nos questionamos sobre os caminhos, sobre as estradas que nos conduzem, sobre o lugar onde nos levam.
Percorremo-los todos os dias, sem que queiramos ou tenhamos grande interesse em prender o olhar. Um desses dias paramos, e olhamos melhor. O olhar, distante e amorfo descobre subitamente a beleza e a fragilidade de uma flor. Nesse instante criamos raízes, ali.
Mas as raízes não germinam na frieza e dureza do cimento, e lentamente obrigamos a que sequem.
Não estamos ali.
Não há lugar para nós.



2 comentários:

Boo disse...

Há sempre lugar para mais uma flor! :)

E, aposto, que há sempre alguém que a regue para que as raízes não sequem! :)

Beijos

GRAFIS disse...

:)
haverá um lugar, sim, e haverá também alguém que cuide.
somos feitos de algumas raízes, a raiz mais forte e as outras, e vamos por aí até que a terra fértil surja...
haverá sempre uma que será sempre mais forte e uma flor mais bonita que todas as outras.

Bjs Boo