domingo, 10 de maio de 2009

Robert and Shana ParkHarrison, Bloodroot.
.
.
.
Há uma espécie de massa densa que pesa no peito, como quando nos sentimos interiormente assombrados, ensombrados.
Dentro uma névoa, casulo, e uma espécie de tendência de auto-destruição interior para apagar os passos, partir os fios que se tecem e nos norteiam, e fundeiam num ancoradouro que sabemos não ser, correr, rasgar e sair para o sol.
.
.
.

Robert and Shana ParkHarrison, Mourning Cloak.


A tua vida é uma história triste.
A minha é igual à tua.
Presas as mãos e preso o coração,
Enchemos de sombra a mesma rua.

A nossa casa é onde a neve aquece.
A nossa festa, onde o luar acaba.
Cada verso em nós próprios apodrece,
Cada jardim nos fecha a sua entrada.


Eugénio de Andrade, em As Mãos e os Frutos.



Robert and Shana ParkHarrison, Summer Arm

4 comentários:

clic disse...

Hoje, não sei que diga... :(

GRAFIS disse...

Ele há coisas que não se comentam... :)

orquídea disse...

(atribui-te um selo. É o que se pode arranjar)

beijo :)

GRAFIS disse...

obrigada :)