terça-feira, 27 de janeiro de 2009


Cindy Sherman


A verdade, por vezes, magoa.
Mas mais nada magoa mais que o não saber a verdade.


Enquanto não sabemos, e imaginamos, sentimos toda a dor comprimida num ponto, que se alastra ao peito até nos apertar o músculo do centro, aos membros superiores, paralisando-os, para além de qualquer explicação, espremendo-nos, até que o corpo descomprima ao soltar uma lágrima, salgada.

...o sabor na língua.


5 comentários:

orquídea disse...

"A dor é inevitável. O sofrimento é opcional". Carlos Drummond de Andrade

Toca a voar, moça!!

beijinho

Dantins disse...

Por pior que a verdade nos saiba, não há nada mais amargo do que não a saber.

GRAFIS disse...

orquídea
ah pois. se todas as dores pudessem dar prazer ao invés de sofrimento... :)
vou ver se sim.
Um destes dias meto-me num avião e só para na Polinésia Francesa. Vais ver...

Dantis
Claro. Antes ouvir a verdade, levar uma porrada com ela que andar para aqui a moer o corpo e a alma a tentar perceber onde é que começa e acaba o quê.
Atrás das teorias da conspiração veem as dores de estomago... é o caso. E agora, ou entro em sofrimento ou tomo um KOMPENSAN :D
(estra é ali para a orquídea que ainda me há-de vir explicar aquela teoria do Carlos Drummond de Adrande... :) )

orquídea disse...

Ó moça, olha que para a Polinésia Francesa tb não me importava de ir (lol), mesmo sem dor.

Quanto ao Sr. Drummond, estou certa de que saberás pesquisar o assunto, mas do que percebi reza mais ou menos assim: Passamos demasiado tempo e a gastar demasiada energia a sofrer pelo que projectamos e não realizamos. Ou seja, alimentamos a dor com o que aconteceu mais com o que poderia ter acontecido "em vez de", ou "se". Acho que é mais ou menos isso... :))

Beijinhos

GRAFIS disse...

:)

bute lá para a Polinésia Francesa (eu pelo menos vou, agora, tentar sonhar com isso e projectar algo de bom... :) ).

À falta de Polinésia, ali para os lados da Costa Alentejana tb dá, desde que um sitiozinho com sol... ia bem.

bj