quarta-feira, 9 de abril de 2008


Andy Kehoe - Humanity Bleeds

Em resposta a um desafio, os livros que mais me marcaram, marcam e acompanham…
Tal como à Lover, também o Principezinho me marcou e acompanha, muitas vezes de memória (pelo menos na ideia/conceito), assim como os de Khalil Gibran (emprestei os “meus” há já alguns anos e nunca mais os vi… já me tinham sido oferecidos e foram-me importantes. Gosto de pensar que acompanham a pessoa a quem já os dei, e que lhe são importantes.
Li Pedro Paixão quando estava na moda, assim como li Saramago mesmo não gostando. Em certas alturas tentei ler mais, mas por uma razão ou outra, que para aqui não interessa, o tempo foi gasto de outras formas e a ler outras coisas.
Também li os pequenos livros de Derek Prince ou os de Brain Wess, entre outros, numa busca incessante de um certo quê de essência, humanidade e identidade. Acabei no livro dos livros, que leio há muito tempo, por vezes, repetidamente e que faz todo o sentido.
Aqui vão então os que me lembro terem sido mais marcantes:

Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley (há uns… 17 anos atrás)

O Preço do Sal – Patricia Highsmith (há uns… 14 anos atrás)

(neste hiato de tempo, cada vez menos tempo para ler, a sério, tão descontinuadamente, que não me ocorre nenhum livro verdadeiramente marcante, pelo menos não com a mesma intensidade que os outros. Apenas umas coisas, mas tb outras tantas outras, mais técnicas, talvez muito enfadonhas, mas que me marcaram muito, se bem que, não no sentido que aqui se fala)

Poesia (completa) – Daniel Faria (de há três anos atrás até hoje)

Bíblia (principalmente os Evangelhos assim como alguns capítulos do Antigo Testamento) (desde há… três anos atrás até hoje, continuadamente)

Passar o desafio... a quem queira simplesmente partilhar, aqui ou noutro local qualquer, pois é isso que importa: a partilha.
.
ADENDA: Há um outro, neste "hiato de tempo", que me marcou, verdadeiramente: Portugal Hoje. O Medo de existir, de José Gil, que não consigo agora localizar - devo ter emprestado... (certamente que agora vão começar a surgir outros, mas prometo fugir à tentação de fazer disto uma lista exaustiva e enfadonha)

2 comentários:

Lover disse...

Obrigada por teres aceite o desafio e por teres partilhado...o meu do Khalil Gibran, é fotocópia, o original está em casa dos meus pais, mas com tempo posso digitalizá-lo e enviar-te!
A Biblía também a tenho mas quando pego nela a leitura é aleatória:)
Boa noite ;)

serotonina disse...

o admirável mundo novo e o preço do sal também me marcaram. Khalil Gibran não conheço mas fiquei curiosa.